sexta-feira, agosto 31, 2007

Então os casais não o eram apenas se fossem heterossexuais?

«Casal gay viola rapaz de 13 anos»

E mais se lê no Correio da Manhã: «Os detidos, de 22 e 42 anos, terão violado o rapaz, no início deste ano, quando a mãe o deixou aos cuidados do casal de homossexuais, porque os homens conquistaram a confiança da comunidade de Fermentões, por serem muito simpáticos e prestáveis – segundo contam agora os vizinhos.»

Antigamente no CM "casal" era um termo reservado a heterossexuais, e se aplicado a gays, seria no mínimo com umas aspas do tipo, "nao é bem, mas não achamos outra palavra". Mas eis que subitamente o CM descobre um casal gay, "simpático e prestável", e repete do título até à última frase o quão gays eles são. Fosse um casal heterossexual e a palavra "heterossexual" nunca teria entrado no relato, seriam "os pedófilos", "os abusadores". Mas desta vez, para o CM, "homossexuais" é mesmo o melhor e único adjectivo. Fica portanto aberto o precedente, casais, sem aspas, no CM, só heteros ou abusadores de menores.

E isto apenas alguns dias depois do mesmo jornal ter descoberto um "filho de dois anos entregue para actos homossexuais", que toda a restante imprensa julgava ser afinal "uma filha de 2 anos que a mãe tentou prostituir" (para actos heterossexuais, presume-se).

PS: É escusado tentarem comentar nesta última notícia o facto dos outros jornais noticiarem tratar-se de uma menina e não um menino. Os comentários no CM estão sujeitos a aprovação, e não são aprovados aqueles que apontam as mentiras publicadas pelo jornal.

3 comentários:

Siona disse...

Há um tempo atrás, o CM publicou uma notícia sobre a Gisberta, dizendo que tinha sido no 'mundo da noite', e na altura a partir da qual se começou a prostituir, que ela 'ganhou' a sua nova identidade, como Gisberta.

Ela começou a transição na adolescência, quando ainda vivia no Brasil. Aos 15 já se identificava no feminino. Só se começou a prostituir em meados da década de 90, uns 20 anos depois do início da transição, e porque a casa onde trabalhava fechou. Este percurso dela foi descrito em vários jornais e reportagens (como o 'Jogo de Espelhos', que passou na RTP1), não é segredo jornalístico algum.
A 'história' do CM conotava a transsexualidade com prostituição, na medida em que a última dá origem à primeira.

Apontei este facto na caixa de comentários do CM, de maneira educada. Não o publicaram. Mandei um email. Não me responderam. Esperei algum tempo, e mandei outro. Continuaram a não me responder.

O teu post tem uma tag muito boa...

/me disse...

Também não publicam comentários que questionem o critério de aprovação dos mesmos. É que se dizem que não aceitam comentários com calúnias, parece-me mal que aceitem comentários profundamente homofóbicos e que dizem que homossexualidade = homofobia. Calúnia mais caluniosa não há.

L. Antão disse...

o correio da Manhã usa as palavras de uma forma proporcional ao revenue que elas podem trazer ao jornal, isto é, usam-nas conforme elas vendem mais ou menos jornais não interessa nunca o seu real significado.

Umas entradas mais abaixo há outro exemplo flagrante de como este jornal usa as notícias sem escrupulos, nem princípios.