domingo, julho 15, 2007

Freguesia a freguesia

O facto mais notório da noite foi o profundo desinteresse dos lisboetas pela eleição na sua cidade. Mesmo assim a audiência televisiva do país por inteiro teve que gramar os resultados, freguesia a freguesia!

O desinteresse dos lisboetas é ainda mais impressionante se tivermos em conta a quantidade de gente que achava que o veredicto local devia ter leituras nacionais, nomeadamente de avaliação do governo que é (ou devia ser) de todos... Está visto, 1 voto em Lisboa vale por 100 em Carrazeda de Ansiães. O que é que tenho que fazer para votar aí em baixo? Avisem também o novo autarca, porque parece que vota em Sintra...

6 comentários:

Vítor Pimenta disse...

Ó boss, os apoiantes do vencedor também são cá de cima, da minha terrinha mais propriamente... Uma excursão a Fátima que foi dar uma voltinha a Lisboa, antes de voltar para Cabeceiras de Basto.

Pedro Morgado disse...

Momento da Noite: António Costa e José Sócrates saúdam as populações do Arco de Baúlhe e do Alandroal que gritam "PS, PS, PS" enquanto agitam compassadamente as bandeiras que lhes entregaram à porta.
Visto isto, não admira que os independentes façam tanta mossa aos partidos. E admira ainda menos que, desde cedo, os carneiros dos rebanhos partidários locais se degladiem em pavlovianas dissertações sobre quem recusa a militância doentia e não prescinde de pensar enquanto espera que os líderes da manada se pronunciem.
O certo é que com 57.907 votos em 524.248 eleitores se fez uma grande festança. A silly season costuma começar a 1 de Agosto. Estas eleições de Lisboa anteciparam-nos o deleite.

boss disse...

Eu não tive tempo/pachorra para acompanhar a cobertura toda.. só mesmo uns bocaditos. Mas lá vi uma senhora, no meio de meia dúzia, dizer que era de Cabeceiras. Hilariante de facto, meia dúzia de "populares", e nenhum era lisboeta...

Já era tempo de perceberem que as campanhas de comícios, feiras e bandeiras já eram, e avançarem para acções mais sóbrias.

Pedro faltou-te multiplicar por 100, é esse o truque para se perceber todo o circo ;)

veado_ disse...

Boss,
Agora que as eleições terminaram, já podes respirar de alívio. Os média podem finalmente dedicar atenção às regiões que realmente interessa.Quem sabe se deitarem abaixo alguma câmara aí para esses lados. Da parte que me toca eu aqui estaria alegremente sentado no sofá a seguir atentamente os resultados, sem protestar, sem queixume, pois dificilmente teria outra ocasião para olhar com atenção para esse bocado de país profundo (entre tantos outros)afinal tão diferente de lisboa na sua vida política...
Mas focando a questão, 3 coisas:
1-As leituras nacionais dos resultados não são apenas uma mania dos analistas políticos. Foram a estratégia das campanhas de pelo menos 2 candidaturas- a da CDU e a do PSD-o que mostra bem o interesse de certos políticos pela cidade.E depois queixam-se do alheamento dos eleitores...
2-Eu menosprezaria a abstenção muito elevada. Não acho que se tenha devido à crise profunda do sistema político como não se cansarão de apregoar os demagogos perdedores. Outros aspectos dos resultados dão conta dessa crise de uma forma mais estimulante, mais positiva, mais democrática afinal, como a incontornabilidade das candidaturas independentes.
Nem acho que se ficou a dever ao habitual alheamento hedonista do eleitorado que muitas vezes prefere o ócio a ir votar.Afinal as praias perto de lisboa estiveram vazias dado o mau tempo. Acho que se deveu mais a tratar-se de umas eleições intercalares, fora do ciclo eleitoral habitual, forçadas afinal pelas 'trapalhadas' dos políticos em quem votaram à 2 anos, quando preferiam não ter de o fazer.Não vejo esta abstenção como um fenômeno estrutural mas conjuntural.
3-Apesar da sobrevivência espetacular de Carmona, a câmara virou à esquerda. Sem maioria absoluta do principal partido, com uma candidata independente, com uma candidato independente apoiado por um partido, sem coligação prévia nem anunciada, mas ainda assim a esquerda saiu maioritária destas eleições. Quero ver, com o habitual horror ao 'absolutismo', com tantas boas vontades demonstradas na campanha, como se vai comportar esta maioria...

boss disse...

«pois dificilmente teria outra ocasião para olhar com atenção para esse bocado de país profundo» pois, é isso mesmo.

ó veado, não sejas preguiçoso, porque não transformas esse comentário num post?

FuckItAll disse...

pois terei de concordar com o boss (não sei o que tenho ultimamente, que passo o tempo a concordar a torto e a direito), posta lá isso.