sexta-feira, fevereiro 09, 2007

A mulher dos 7 abortos

Não sei que tipo de credibilidade se pode dar ao depoimento, visto num dos tempos de antena da Plataforma Não Obrigada, de uma mulher que dizia ter feito 7 abortos quando era jovem, que se arrepende muito e que por isso vota Não. A senhora é claramente pouco bafejada pela inteligência, só pode sê-lo para ter feito tantos abortos num tão curto espaço de tempo. Mas o mais extraordinário é ver alguém que afirma ter feito todos esses traumáticos abortos durante a vigência da actual lei, a lei que afinal defende votando Não. Uma pena que a defesa não vá até às últimas consequências, entregando-se numa esquadra, como conviria.

Será ela a musa inspiradora dos discursos do Não, que descrevem a mulher portuguesa como uma abortista compulsiva?

5 comentários:

portugalgay disse...

Infelizmente (ou não) "coerência" e "inteligência" são dois termos muito difíceis de associar à campanha do Não...

Catarina disse...

Boss, my dear, tens que ter presente que actualmente a «juventude» vai para aí até aos 55 anos (basta ver alguns dos nossos «jovens agricultores»). Se iniciarmos a juventude aos 15, isso deu à senhora 40 anos para sete abortos. É bom. Não se lhe pode chamar, de todo, abortista compulsiva. Podemos, quando muito, dizer que, ou tem demorado muito a perceber como funcionam os métodos contraceptivos (o que abonará pouco em favor de inteligência de senhora), ou que tem tido um azar do camandro.

FuckItAll disse...

Para não dizer que isto é uma história do tempo em que os moralistas puritanos mandavam (ainda mais) neste país, e portanto informação sobre sexualidade e acesso a contraceptivos eram coisa para poucos.

Seja qual for o resultado no domingo, espero ver todos os defensores do Não mobilizados a favor da educação sexual nas escolas e do fornecimento facilitado de contraceptivos aos jovens. Quero ver.

Citadina disse...

O "não" precisa destes exemplos para justificar as suas posições difíceis de defender. Tão difíceis que vale tudo, até recorrer a alguém que ou é doida, ou masoquista, ou fundamentalista, ou mentirosa.

boss disse...

A senhora que eu vi teria os seus 30's e disse ter feito os 7 abortos, salvo erro, entre os 16 e os 23 anos (se não são esses os números são aproximados, davam 1 por ano). Ora a falta de informação e o azar podem explicar muita coisa, mas não isto, não nesta época em que vivemos...

Mas vai daí pode ser simplesmente alguém paga para dizer o que disse...

os outros depoimentos que vi ontem, de Matilde Sousa Franco e daquela "doutora" Jerónima, soavam ainda mais falsos...