sábado, março 03, 2007

Quem precisa do CDS quando tem a Opus Gay?

«Para António Serzedelo, esta situação "não pode ser imposta às pessoas porque elas não sabem do que se trata, mas tem que ser discutida para que se perceba".

O presidente da OpusGay considera que "em 2009 deve-se começar a pôr estes assuntos na agenda política".»

Serzedelo fala sobre a aprovação da lei da identidade de género em Espanha, que entende não poder ser "imposta às pessoas" por cá. E eu que achava que as únicas pessoas a quem era "imposta" uma lei, eram os transexuais sujeitos à actual legislação. Espero que Serzedelo tenha percebido que a ideia é cada um/a passar a ter o sexo legal que deseja, e não impor o que quer que seja... Esperança vã, I'm afraid. Mas pronto, diz que em 2009 tudo vai mudar para melhor e com um bocado de sorte até a Opus Gay vai, para variar, começar a defender alterações legislativas a favor da igualdade para @s LGBT.


Mas isto é só um diz que, a única certeza é que até lá teremos que continuar a levar com esta personagem mascarada de associação (ah não, esperem, também diz que há um novo membro, o que já seria suficiente pelo menos para formar um casal, claro, se não fosse Serzedelo já casado...) a aproveitar qualquer atençãozinha mediática para atacar o movimento LGBT e as suas reivindicações. Não vá - o diabo seja cego, surdo e mudo - o povo português sofrer alguma indigestão com estes temas, tudo a bem das tripas do povo, claro (atenção, isto não tem nada a ver com o PS). Olha, Opus Tripa, era um nome bem mais adequado. Opus (anti-)Gay, como sugeri antes, seria redutor, afinal também é anti-trans agora (e pelo menos até 2009).

1 comentário:

L disse...

Espero que isto seja só um erro da parte do jornal. Não acredito que algo como isto pudesse ser dito...